JellyPages.com

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

desejosproibidos

Não sei escrever, não sei dizer...
O que me provocas e me fazes sentir,
Sei apenas que não te quero perder,
Sei apenas que só te quero fazer sorrir...
Quero beijar teus lábios num eterno beijo,
Quero sentir teu corpo em pleno desejo...
Quero amar-te a cada dia como se fosse o fim,
Quero o teu calor, puxando-te para junto de mim.
Amo o teu doce e meigo olhar...
Amo teu toque em minha pele ansiosa,
Amo saborear tua boca deliciosa...
Amo... simplesmente Amo te Amar!
Desejo meu coração no teu gravado,
Desejo teu perfume no meu corpo quente...
Desejo teu corpo que ansioso não mente
Desejo teu desejar, tua loucura, teu pecado...
Venero tudo o que faz o teu mundo,
Venero teu sonho, tua paixão...
Venero teu ser, tua voz, teu olhar profundo...
Venero a tua essência, tua pele, minha tentação...
Sou louca por ti,
Sou louca porque não sei viver sem ti
Sou louca porque me enlouqueces sem te ter...
Sou louca porque não estás comigo para eu te ver...
Será pouco para descrever o que sinto pelo meu amor?
Eu sei que é!...
Mas eu bem disse que não sabia escrever,
No entanto uma coisa é certa...
Mesmo que eu soubesse,
nenhum poema deste mundo,
por mais belo e maravilhoso que fosse,
poderia alguma vez descrever o meu amor!
Só sei que te AMO!

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Uma Histórinha - L.P.V.

Meus olhos 
te viram...
- Hummm... que bonita, 
interessante.
Então meus olhos
passaram a te enxergar...
Vi os seus defeitos,
qualidades 
e manias,
-Hummm... e já estava te amando!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

No Teu Cio - Akasha De Lioncourt

O beijo... Ardente...
A boca... Sensual...
A língua... Macia...
No teu colo eu me deixo seduzir...
Na tua pele me perco em explorações...
Nos teus lábios busco o néctar fatal...
Que me inebria e me embriaga e não faz mal...
No teu cio eu me entrego,
Devassa, insana, profana...
No teu leito eu me desnudo sem pudores,
Entregue, à vastidão dos teus sabores...
Te sinto na minha língua,
Te devoro sem compaixão...
Esse é o segredo, meu menino...
Desse nosso eterno tesão.

Vera Fagundes

O rastro de um amor que... 
agoniza...
que fere... 
magoa...
maltrata...
mas não desaparece...
consome...
mutila...
e nunca morre...
Negar, como posso... 
se está evidenciado em cada gesto...
em cada noite não dormida...
em cada ferida...

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Caio Fernando Abreu

Ela é uma moça de poses delicadas, 
sorrisos discretos e olhar misterioso. 
Ela tem cara de menina mimada, 
um quê de esquisitice, 
uma sensibilidade de flor, 
um jeito encantado de ser, 
um toque de intuição e um tom de doçura. 
Ela reflete lilás, um brilho de estrela, 
uma inquietude, uma solidão de artista 
e um ar sensato de cientista.
Ela é intensa e tem mania de sentir por completo, 
de amar por completo e de ser por completo. 
Dentro dela tem um coração bobo, 
que é sempre capaz de amar 
e de acreditar outra vez. 
Ela tem aquele gosto doce de menina romântica 
e aquele gosto ácido de mulher moderna

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Arremesso - Bruna Lombardi

Porque despertar em mim 
esse animal alucinado. 
Animal de olhos de fogo.
Selvagem e louco. 
Esse animal acuado
que perde sangue no jogo.
Essa fera que te ataca e te resiste.
Que por pouco não te mata.
Ah, essa desenfreada que me existe 
e me devora. 
Porque despertá-la agora
já que há tanto vinha adormecida.
Porque assustá-la assim em meio ao sono.
Porque arrancá-la bruscamente de seu sonho
e transportá-la de repente para a vida.
Porque despertar em mim essa cavala doida
que vai te galopar de corpo inteiro.
Enlouquecida que vai se ferir em meio ao trote.
Porque atiçar esse bicho
que nessa luta vai morrer primeiro.
Que vai morrer de fome, de grito, 
de garganta enxuta,
de tanta entrega. 
Dilacerado de tanta força bruta.
Porque despertar essa besta que me habita
que se torna cruel e desumana quando aflita.
Porque gritar com ela no silêncio de um sono branco
em que já vinha há tanto.
Porque provocá-la em meio ao espanto
quando ainda não era o seu tempo.